destaque.fw

Botão do pânico será usado em ônibus de Belo Horizonte para casos de assédio

A Guarda Municipal de Belo Horizonte lançou uma campanha para tentar reduzir os casos de assédio contra mulheres no transporte público. Entre as ações anunciadas nesta segunda-feira (22), está o uso de botão do pânico nos coletivos da capital. A ideia é tão interessante que pode ainda servir como modelo para os demais estados do Brasil!

De acordo com a assessoria da Guarda Municipal, o sistema, que já estava instalado na frota da cidade para situações como roubo, foi adaptado para também acionar equipes em casos de importunação sexual.

“O motorista vai estar treinado para ele poder fazer o acionamento do botão do pânico. E, com acionamento, automaticamente, cai aqui na Central de Operações da Prefeitura. E o nosso coordenador encaminha uma viatura para fazer a abordagem desse ônibus”, explicou a guarda Aline Oliveira dos Santos Silva.

Durante a campanha, que foi iniciada na semana passada, passageiras receberão apitos no ônibus e no metrô. Segundo Aline, a previsão é que a distribuição comece a ser realizada em novembro.

Ela afirma que as ações serão incialmente focadas em locais de maior ocorrência desse tipo de situação.

“A gente fez um diagnóstico prévio sobre os locais onde existe a maior incidência de assédio contra a mulher dentro do transporte coletivo. (…) A gente vai embarcar nessas linhas de ônibus onde tenha a maior concentração de registros. Vai ser uma guarnição 100% feminina da Guarda Municipal. E a gente está também recebendo o reforço de agentes da BHTrans”, disse. No metrô, agentes femininas da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) vão reforçar a campanha.

Na próxima semana, segundo a guarda, serão treinados cerca de 40 funcionários do transporte coletivo.

Importunação sexual

No fim de setembro, foi sancionada a lei que torna crime a importunação sexual e aumenta a pena para estupro coletivo.

Pela nova legislação, caracteriza-se como importunação sexual o ato libidinoso praticado contra alguém, e sem a autorização, a fim de satisfazer desejo próprio ou de terceiro. A pena prevista é de um a cinco anos de cadeia.

Via: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *