destaque.fw

Falta de segurança faz Marinha interditar duas lanchas da Dersa no litoral de SP

A Marinha do Brasil informou, nesta quarta-feira (3), a interdição de duas embarcações da estatal Dersa que realizam a travessia entre Santos e Guarujá. Segundo a Autoridade Marítima, ambas ofereciam risco à segurança dos passageiros, do tráfego e ao meio ambiente. A empresa afirma reparar os problemas.

A Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP) informou, por nota, que as barcas “Itapema”, para 200 passageiros, e “Canéu”, capaz de transportar 170 pessoas, foram impedidas de operar durante uma vistoria rotineira realizada na terça-feira (2). Segundo o site G1, houve a apuração de que ambas estavam com vazamento de óleo no motor.

Ambas embarcações foram construídas na década de 1960 e fazem parte da travessias de passageiros entre o Distrito de Vicente de Carvalho, em Guarujá, e o Centro de Santos. O sistema possui cinco embarcações, ao todo, e tem capacidade operacional de até quatro mil passageiros por hora em ambos sentidos.

A Marinha informou que, em nova vistoria, liberou a barca “Itapema” para operar na tarde de quarta-feira. A barca “Canéu” permanecia em manutenção, sem funcionamento, pela equipe da Dersa até o último posicionamento da Autoridade Marítima, que deverá realizar uma nova inspeção na embarcação.

A Dersa, estatal paulista responsável pelas travessias, informou que a vistoria da Marinha foi de “praxe”. “A Capitania dos Portos solicitou algumas adequações em duas lanchas, que foram prontamente atendidas”. A empresa disse que a travessia opera normalmente, mesmo sem as embarcações.

Substituição após 2 anos

Em setembro, a nova lancha LS-05 foi integrada à travessia de passageiros entre Santos e Guarujá. A embarcação é climatizada, capaz de transportar até 450 pessoas e substitui a LS-01, a primeira do processo de modernização do serviço da estatal, e que foi destruída por um incêndio em 2016.

Lancha LS-01 foi totalmente consumida pelo fogo em 2016 — Foto: G1
Lancha LS-01 foi totalmente consumida pelo fogo em 2016 — Foto: G1

Via: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *